Igreja Católica: uma “franquia” de 2.000 anos